Direitos das Crianças

by | Nov 25, 2021 | Família, Lifestyle

 

No passado dia 20 de Novembro comemorou-se o Dia Internacional dos Direitos das Crianças. Fique a saber mais sobre este dia.

Desde 1959 que os vários países que integram a ONU, Organização das Nações Unidas, aprovaram a Declaração dos Direitos da Criança, fazendo com que este dia seja festejado de uma forma universal.

Esta declaração é fruto de uma adaptação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, onde o foco são apenas as crianças.

Esta comemoração tem como objetivo salientar e divulgar os direitos dos mais pequenos em todo o mundo.

Em Portugal realizam-se atividades solidárias como é o exemplo do Dia Nacional do Pijama, onde as crianças vão de pijama para a escola, relembrando o direito de todas as crianças a terem um lar, uma família e a proteção da sociedade.

 

Dia Nacional Do Pijama

O Dia Nacional do Pijama é um dia francamente educativo e solidário feito por crianças que se ajudam umas às outras.

Este dia foi também inserido na comemoração do Dia Internacional dos Direitos das Crianças, onde o grande foco se mantém na defesa e proteção das mesmas, mas por coincidir este ano com o fim de semana, este ano, o Dia Nacional do Pijama foi celebrado, na segunda-feira, dia 22 de Novembro, para que as crianças pudessem comemorar na escola.

Neste dia, as crianças até aos 10 anos, que abrangem as valências de creche, jardim de infância e 1º ciclo de todo o país ou de países que têm escolas portuguesas, vão vestidas com o pijama para a escola e passam assim o dia em atividades lúdico educativas.

 

Direitos 

Todos os direitos inscritos na Declaração dos Direitos são extremamente importantes e levados em consideração e destaque nesta data comemorativa, mas de uma maneira geral destaco os seguintes:

  • Todas as crianças têm o direito à vida e à liberdade
  • Todas as crianças devem ser protegidas da violência doméstica
  • Todas as crianças são iguais e têm os mesmos direitos, não importa a sua cor, raça, sexo, religião, origem social ou nacionalidade
  • Todas as crianças devem ser protegidas pela família e pela sociedade;
  • Todas as crianças têm direito a uma nacionalidade
  • Todas as crianças têm direito à alimentação e ao atendimento médico.
  • As crianças portadoras de dificuldades especiais, físicas ou mentais, têm o direito à educação e cuidados especiais
  • Todas as crianças têm direito ao amor e à compreensão dos pais e da sociedade
  • Todas as crianças têm direito à educação
  • Todas as crianças têm direito de não ser agredidas ou violentadas, física e verbalmente por pais, avós, parentes, ou até a sociedade

A UNICEF, organização da ONU encarregada de proteger estes direitos de criança e do adolescente, em todos os lugares, especialmente daqueles mais desfavorecidos, é a única organização especificamente nomeada como fonte de assistência especializada, de aconselhamento e proteção das crianças.

Graças à sua presença em quase todos os países, esta organização da ONU é capaz de alcançar lugares que outros não conseguem e, assim, está singularmente posicionada para fazer a diferença na vida das crianças e dos adolescentes.

 

Resumindo

O tema do artigo desta semana é bastante sensível e de extrema importância mundial. Todas as crianças têm o direito à proteção, à família e um lar seguro. Para que este tema seja abordado com naturalidade no seio familiar, recomendo a leitura do livro “O direito de ser Criança” de Maria João Carvalho. Este livro da Evereste Editora encontra-se disponível no site da WOOK.
A autora a partir da Declaração Universal dos Direitos da Criança criou este livro com o objetivo de contribuir para que os princípios consigam ser divulgados e reconhecidos a todas as crianças, sem exceção.

⚡ Se quiser saber sobre educação infantil, leia o nosso artigo Hábitos De Vida Saudável Na Criança.

truques-familia-clevermeals

Truques Prá Família é um projeto de Sofia Rodrigues. Enfermeira de profissão, tem percorrido outros caminhos na área da educação, em estreita relação com as crianças e as suas famílias, dentro e fora do contexto clínico. O foco é a educação positiva, saúde escolar e boas práticas que direcionem para os hábitos de vida saudável.