O desperdício alimentar é um problema ambiental, económico e social da sociedade moderna. Aprenda com a Mariana Guerra, 10 Dicas Práticas para evitar o Desperdício Alimentar que pode começar a implementar desde já!

O desperdício alimentar é um problema ambiental, económico, social e de segurança alimentar que ocorre ao longo de toda a cadeia de produção, isto é, “do prado ao prato”.

Nos países desenvolvidos a grande maioria do desperdício (42%) é verificada no final da cadeia, ao nível doméstico, enquanto nos países em desenvolvimento há mais desperdício nas fases de produção, colheita e processamento.  

Segundo a FAO, a nível mundial cerca de 1/3 da comida produzida para consumo humano é desperdiçada, o que corresponde a 1.3 biliões de toneladas de alimentos por ano. 

artigo-desperdicio-alimentar

Na UE, o desperdício alimentar no contexto domiciliar corresponde a 20-25% dos alimentos comprados. Estima-se que em Portugal sejam desperdiçados 97kg de comida por pessoa por ano. 

Assim sendo, o que é que nós, enquanto consumidores, podemos fazer para evitar o desperdício alimentar? Conheça as 10 Dicas Práticas para evitar o Desperdício Alimentar que pode começar a implementar desde já!

1 – FAZER LISTA DE COMPRAS

Antes de ir às compras, verifique o seu frigorifico, congelador e despensa e faça uma lista dos alimentos que realmente necessita. Compre apenas os itens que sabe que irão ser consumidos num espaço de tempo relativamente curto, ou seja, não devem ser comprados alimentos em quantidades que não se adequem aos hábitos alimentares familiares.

Cuidado com as promoções – mesmo estando o produto em desconto, se for algo que não precisamos não devemos comprar porque o mais provável é que não seja utilizado e se estrague. Comprando apenas o necessário pode implicar a ida às compras com maior frequência, mas facilita a compra dos itens que são realmente precisos. Desta forma não só se evita o desperdício de alimentos como de dinheiro.

💡 Dica! Se não sabe o que fazer com determinada parte de um alimento, só tem de procurar receitas na internet, por exemplo na web app da Clevermeals que tem +1000 receitas saudáveis para se inspirar.

2 – PLANEAMENTO SEMANAL

Planear as refeições da semana ajuda a fazer a lista de compras, evitando o desperdício. Para além disso também facilita na organização das refeições, conseguindo gerir melhor o seu tempo.

No planeamento das refeições tenha em consideração o estado de maturação dos ingredientes (por exemplo, utilize primeiro os hortícolas menos frescos ou as frutas mais maduras) bem como a validade. 

💡 Dica! Use o Plano Semanal Clevermeals para organizar as refeições da semana. Vai poupa tempo e reduzir o desperdício!

3 – COMPRAR A GRANEL 

Desta forma consegue comprar exatamente na quantidade que quer, evitando não só o desperdício, como o embalamento como ainda pode poupar dinheiro (segundo a DECO, a compra a avulso é mais barata em 65% dos casos).

É principalmente útil para famílias pequenas ou quando se quer experimentar um novo ingrediente. 

4 – COZINHAR O NECESSÁRIO

É crucial confecionar a quantidade exata face ao número de pessoas. Para isso, pesar os alimentos na confeção pode ser uma estratégia a adotar.

Caso cozinhe a mais, certifique-se que é armazenado corretamente (quer seja no frigorifico ou congelador) e que é consumido num período breve. Caso não seja possível, ofereça a vizinhos ou a quem necessite. 

5 – COMPRAR LOCAL

Ao comprar alimentos que sejam da época e locais (frutas e legumes), garante que estes produtos não vêm de longe e por isso, estão mais frescos e irão durar mais tempo. Todos os produtos que impliquem menos tempo de transporte e manuseamento, têm menor probabilidade de se estragarem antes de serem confecionados. 

Não associe a qualidade do produto à sua aparência! Alimentos considerados “diferentes” pela sua forma, aparência e tamanho têm mais 25-30% de probabilidade de serem desperdiçados. Muitas das vezes as frutas mais pequenas são mais saborosas. 

Em última instância, utilize estes alimentos (muitas vezes vendidos por um preço inferior) para fazer sopa, purés, batidos, etc. 

6 – DATA DE VALIDADE

Caso não saiba quando vai consumir, prefira os alimentos com prazo de validade mais extenso. Se for num futuro próximo, opte pelos produtos com as etiquetas de aproximação do fim de prazo de validade (evita que sejam deitados ao lixo e compra por um preço mais acessível). 

Saber interpretar a informação relativa à data de validade é fundamental, pois é uma das principais causas do desperdício (53% dos consumidores da EU não sabem a diferença entre rótulos de validade). Ora, veja as diferenças:

  • Consumir até (dia/mês/ano) = data limite de consumo (data a partir da qual não se pode garantir que o alimento seja seguro). Assim, o alimento não deve ser consumido depois dessa data. Aplica-se aos alimentos frescos e mais perecíveis como lacticínios, carne ou peixe embalado. 
  • Consumir de preferência antes de (dia/mês/ano) = data de durabilidade mínima (a data referida é a data até à qual o produto conserva as suas propriedades especificas). No entanto, pode ser consumido à posteriori dessa data, desde que se verifique o aspeto, cheiro e sabor. Aplica-se aos alimentos não perecíveis como massa, arroz, cereais, bolachas. 
  • Consumir de preferência antes do fim de (mês/ano) = data de durabilidade mínima (a data referida é a data até à qual o produto conserva as suas propriedades especificas). Aplica-se a alimentos não perecíveis que pela sua técnica de conservação, têm uma validade mais alargada, tais como as conservas e os congelados. 

Os produtos com data de durabilidade mínima podem ser consumidos depois da data escrita no rótulo, desde que passem no seguinte teste sensorial desenvolvido pela Too Good to Go e que foi lançado em Abril deste ano.  

Por exemplo, o selo Observar, Cheirar, Provar da Too Good to Go sugere que se faça o teste dos sentidos para saber se é seguro consumir um alimento depois de passar o prazo.

selo-sensorial

7 – FIFO OU FEFO

Depois da ida às compras é importante organizar os alimentos que comprou no seu frigorifico e despesa por uma ordem lógica.

Os alimentos com menor validade devem ser colocados na fila da frente da prateleira para estarem mais à mão e serem os primeiros a ser utilizados, evitando que fiquem esquecidos.  

Ou seja, pelo método FIFO = First in, first out, ou pelo método FEFO = First expired, first out.

8 – ARMAZENAR CORRETAMENTE OS ALIMENTOS 

O armazenamento correto dos alimentos no frigorifico, congelador e na despensa atrasa o processo de deteriorização.

Por exemplo, se sobrou do que cozinhou ao jantar, guarde numa caixa de vidro hermeticamente fechada e coloque no seu frigorifico à vista, para evitar ficar esquecido. 

arrumacao-frigorifico

9 – (RE)APROVEITAR 

Para além de ser importante utilizar os alimentos na sua totalidade, aprenda também re-cozinhar a comida que sobrou, dando uma nova vida a esses alimentos. Sempre que sobra comida, as melhores opções são: comer na refeição seguinte, fazer uma nova refeição com a comida que sobrou ou congelar para uma refeição futura. 

Veja alguns exemplos de como utilizar os ingredientes na sua totalidade:

Brócolo: utilize os floretes como acompanhamento (cozido, salteado ou gratinado); o caule para a sopa ou para um puré e as folhas na sopa ou para um esparregado.

Abóbora: secar as sementes e fazer um molho pesto; o “miolo” da abobora utilizar para a sopa, assar, etc e a casca pode ser utilizada para fazer chips no forno

💡 Dica! Se não sabe o que fazer com determinada parte de um alimento, só tem de procurar receitas na internet, por exemplo na web app da Clevermeals que tem +1000 receitas saudáveis para se inspirar.

10 – RECORRA A APPS, CABAZES e INICIATIVAS

Felizmente, cada vez surgem mais apps e iniciativas que lutam contra o desperdício alimentar. Podemos e devemos recorrer a algumas destas ferramentas para termos um papel ativo no combate ao desperdício alimentar. Por exemplo:

Resumindo…

Em Portugal sejam desperdiçados 97kg de comida por pessoa por ano. Para alterar este facto, enquanto consumidores, o que podemos fazer para evitar o desperdício alimentar?

Siga as 10 Dicas Práticas para evitar o Desperdício Alimentar da Mariana e comece a reduzir o desperdício desde já!

Mariana Guerra

Estudante de Ciências da Nutrição

 Sexta-feira: Não Perca! LIVE Talks Clevermeals e a publicação do novo E-book Especial: Desperdício Alimentar ter as dicas sempre consigo 😊

Para saber mais sobre lifestyle sustentável, leia o nosso artigo Futuro A Granel.

💡 Dica: As ferramentas Clevermeals – Livro De Receitas Digital, Plano Semanal Automático e a Lista de Compras Inteligente foram desenhadas para organizar a sua alimentação. Poupa tempo, reduz o desperdício e a sua carteira e o ambiente agradecem!