Após um 2020 atribulado e com um confinamento essencialmente preventivo, 2021 começa caótico e com um confinamento emergente.

Com a situação pandémica em que vivemos atualmente, fomos novamente forçados a um isolamento social, onde o medo, a tristeza, a frustração e as dúvidas são permanentes. O isolamento social era uma situação desconhecida para a maioria de nós, até a COVID-19 começar a limitar o nosso dia a dia.

Adaptação

O ser humano tem uma excelente capacidade de adaptação, mas também tem uma tendência a resistir à mudança e, neste caso, não há como fugir, ignorar ou contrariar o que está a acontecer. Todos nós temos uma estrutura psicológica que nos permite observar o que se passa à nossa volta e distinguir o que não controlamos daquilo que está ao nosso alcance fazer e melhorar. Isto significa, que devemos agir em prol do bem estar individual, familiar e da sociedade em que estamos inseridos.

Para melhorar esta forma de agir em tempo de pandemia, devemos estar cientes de medidas individuais essenciais e de reestruturação familiar e social, percebendo que a curto prazo existe um desgaste físico e psicológico associado a este confinamento.

Uma família em isolamento, com crianças e/ou jovens é obviamente um desafio bastante exigente. É por isso normal, que os pais e cuidadores principais se sintam angustiados,  ansiosos e confusos perante tal situação.

Neste momento crítico é importante fortalecer os laços em família e gerir momentos de tensão e conflito. As crianças e os jovens são altamente frágeis às pressões do próprio isolamento e do meio envolvente e por isso os pais devem estar atentos às suas reações emocionais e comportamentais.

O ideal passará por cada núcleo familiar conseguir adaptar-se a esta realidade e munir-se de armas importantes para a sua sobrevivência essencialmente psicológica.

Visto todas as famílias estarem a experimentar uma situação de isolamento, leia de seguida algumas recomendações que podem ajudar a enfrentar esta situação complexa.

Recomendações

  • Manter-se informado através de fontes de informação oficiais (DGS, SNS24 e ONU)
  • Controlar a exposição constante das crianças e jovens às notícias sobre a COVID-19
  • Realizar atividades em família que traga momentos felizes
  • Compreender o risco e pedir ajuda quando achar necessário
  • Arranjar estratégias familiares para terem momentos de relaxamento
  • Manter o contacto com a restante família e amigos (através das redes sociais, chamadas, vídeo chamadas, mensagens e e-mail)
  • Fazer exercício físico regular
  • Promover a alimentação saudável
  • Manter dentro do possível as rotinas
  • Aprender a reconhecer os sentimentos e partilhá-los com a família
  • Estabelecer rotinas
  • Ser compreensivo e tolerante com as crianças

Em tempo de confinamento obrigatório, as rotinas voltam a mudar substancialmente e todos irão precisar de se adaptar e encontrar, com alguma flexibilidade, novas estratégias para organizar o dia a dia. É fundamental que a família realize uma nova organização do espaço, da rotina e da dinâmica, de forma a conseguir dar resposta à maior parte das necessidades existentes.

Tudo isto, sem esqueça temas importantes, como o equilíbrio entre o trabalho e o lazer, o tempo de interação com os outros e o tempo para o próprio, a autonomia, a responsabilidade, os interesses e as relações já estabelecidas, os vícios e as personalidades.

Equilíbrio

Tudo choca de uma forma mais explosiva quando nos encontramos confinados dentro do mesmo espaço com várias pessoas, mesmo sendo família, e é nesse momento que os pais/cuidadores principais ganham o papel de apaziguadores e onde a palavra equilíbrio ganha força.

É certo que todos nós reagimos de forma diferente às situações, mas nesta em específico, é considerado expectável que a maioria das pessoas demonstre determinadas reações ao longo do confinamento. A ansiedade, o medo, a preocupação, a solidão e o aborrecimento encontram-se sem dúvida no TOP 5 das reações mais comuns, até porque o desconhecido é algo constante e difícil de gerir.

No entanto, todos nós devemos estar conscientes da possibilidade de pedir ajuda, caso achemos que por qualquer razão não nos sentimos capazes de dar resposta à família.

Resumindo…

Neste momento é preciso cuidar de todos e fortalecer os laços dentro do núcleo familiar, de forma a criar mais estabilidade, confiança e segurança. Assim, torna-se fundamental que pais e estejam atentos ao que acontece dentro de casa e tentem minimizar ao máximo o impacto da pandemia na família.

Se quiser saber mais sobre educação infantil, leia o nosso artigo Hábitos de Vida Saudável Na Criança.

truques-pra-familia

Truques Prá Família é um projeto de Sofia Rodrigues. Enfermeira de profissão, tem percorrido outros caminhos na área da educação, em estreita relação com as crianças e as suas famílias, dentro e fora do contexto clínico. O foco é a educação positiva, saúde escolar e boas práticas que direcionem para os hábitos de vida saudável.