Muitos dos nossos hábitos alimentares são condicionados desde os primeiros anos de vida e por isso, uma alimentação saudável durante a infância é essencial para permitir um normal desenvolvimento e crescimento. Fique a conhecer a sugestão de lanches saudáveis da Sofia Rodrigues.

A variedade na alimentação é a principal forma de garantir a satisfação de todas as necessidades do organismo em nutrientes e de evitar o excesso de ingestão de substâncias com riscos para a saúde.

O ato de comer, para além de satisfazer as necessidades biológicas e energéticas inerentes ao bom funcionamento do organismo, é também uma fonte de prazer, de socialização e ainda de transmissão cultural.

Por isso, é muito importante saber escolher os alimentos de forma e em quantidade adequada às necessidades diárias, ao longo das diferentes fases da vida. 

Uma alimentação saudável durante a infância é essencial para permitir um normal desenvolvimento e crescimento e ainda prevenir uma panóplia de problemas de saúde ligados à alimentação, como por exemplo o atraso no crescimento, a obesidade, a malnutrição, a anemia, ou mesmo a cárie dentária. 

A família e a escola têm um papel inquestionável na alimentação e na educação alimentar das crianças e jovens, pois assumem uma particular importância, na medida em que podem oferecer um contexto de aprendizagem diferente sobre o mesmo assunto.

Habitualmente e em determinados anos de escolaridade, as crianças e jovens usufruem do bar e do refeitório da escola para se alimentar.

No entanto, existe sempre a opção de levar a lancheira preparada de casa. Segundo os dados do último Inquérito Alimentar Nacional, é no grupo das crianças e dos adolescentes que se verificam hábitos alimentares mais desequilibrados, sendo que não atingem a recomendação preconizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) referente ao consumo diário de frutas e hortícolas.

Além disso, o consumo elevado de refrigerantes e/ou néctares na adolescência também é verificado.

Face a esta realidade em Portugal, até que ponto nos devemos preocupar com os lanches dos mais novos? Segundo a Direção-Geral de Saúde (DGS), existem 6 razões para nos preocuparmos com os lanches, um TOP 6 de grupos alimentares a utilizar e diversas estratégias para as crianças e jovens apreciarem lanches saudáveis.

6 Razões Para Nos Preocuparmos Com os Lanches da Crianças e Jovens

  • Cerca de 25% da ingestão energética diária das crianças e jovens provém dos lanches (pressupondo que fazem 6 refeições/dia).
  • Ao lanche são habitualmente consumidos produtos alimentares com pouco valor nutricional (exemplos: batatas fritas, bebidas açucaradas e bolachas)
  • A alimentação saudável tem um importante papel no desenvolvimento cognitivo e rendimento escolar.
  • Os estímulos ao consumo de produtos alimentares com pouco valor nutricional existem à volta das escolas e a publicidade a estes alimentos é mais frequente do que a publicidade a alimentos saudáveis.
  • Preparar um lanche saudável e apelativo para as crianças e jovens comparativamente com a oferta alimentar a que estão expostos é um grande desafio para muitos pais.
  • A COVID-19, pela interrupção das atividades letivas presenciais e pela necessidade de uma permanência prolongada em casa, pode ter contribuído para que as crianças tenham adotado comportamentos alimentares e de atividade física que favorecem o ganho de peso.

TOP 6 Dos Grupos De Alimentos Para Os Lanches Saudáveis

  • Leite e derivados (exemplos: leite, iogurte ou queijo)
  • Fruta (preferencialmente da época)
  • Cereais e derivados (essencialmente derivados integrais)
  • Hortícolas (cruas ou cozinhadas)
  • Leguminosas ( podem ser incluídas nos lanches na forma de pasta para barrar ou noutros formatos)
  • Oleaginosas (podem ser consumidos inteiros ou podem ser triturados até obter uma pasta para barrar)

Estratégias Para As Crianças E Jovens Apreciarem Lanches Saudáveis

  • Inclua as crianças e adolescentes na compra, preparação e confeção das refeições.
  • Convide-os a participar na elaboração dos lanches. 
  • Seja criativo na apresentação dos lanches, apresente opções coloridas e opte por lancheiras ou outros meios de transporte que sejam atrativos. 
  • Inclua produtos hortícolas e frutas de forma divertida, apelativa e fácil de consumir. (exemplos: palitos de cenoura, tomate cherry, maçã cortada em gomos com um elástico à volta para não oxidar, entre outros).
  • Quando o seu filho recusa um alimento ou os equivalentes alimentares, tente camuflá-los, como, por exemplo, no interior do pão ou misturando com o iogurte. 

Para além dos grupos apresentados não nos podemos esquecer que a água deve estar sempre presente nos lanches das crianças e adolescentes. O consumo regular da mesma é fundamental para promover uma alimentação saudável. 

Resumindo…

A capacitação das crianças e jovens para a tomada de decisões saudáveis no momento da escolha dos alimentos pode não ser suficiente, principalmente, se o ambiente que os rodeia dificultar essa mesma escolha. Por isso, cabe também às famílias essa responsabilidade de encaminhar a alimentação para o mais adequado possível face às condições existentes. Determinar o conteúdo alimentar da lancheira é fulcral para ganhos em saúde nas crianças e jovens de hoje. Siga as recomendações da DGS para uma lancheira TOP e saudável do seu filho.

⚡ Se quiser saber mais sobre educação infantil, leia o nosso artigo Aprendizagem Passiva e Ativa Na Criança.

truques-familia-clevermealsTruques Prá Família é um projeto de Sofia Rodrigues. Enfermeira de profissão, tem percorrido outros caminhos na área da educação, em estreita relação com as crianças e as suas famílias, dentro e fora do contexto clínico. O foco é a educação positiva, saúde escolar e boas práticas que direcionem para os hábitos de vida saudável.